segunda-feira, 28 de dezembro de 2020

Clima de desconfiança dos Silva em relação aos Furtado?

                                 
Há rumores de que Suely Silva, mãe do prefeito eleito de Coelho Neto, teria procurado Cláudio Furtado para uma conversa franca. Ela queria saber se o mesmo ficaria na base do governo ou se teria a intenção de encabeçar uma frente de oposição ao governo de Bruno Silva.

Se essa conversa de fato existiu é um indicativo de que há uma desconfiança dos Silva em relação aos Furtado.

Pelo visto os Silva estão achando que Cláudio Furtado não baixou em Coelho Neto atrás do salário de vereador, visto que o mesmo é Procurador Federal, cujos vencimentos certamente estão bem acima do que ganha um parlamentar no município.

Há ainda quem diga que essa desconfiança teria aumentado no dia da eleição do Sintasp, onde Cláudio e seu irmão, Flávio, prefeito eleito de Duque Bacelar, estiveram pessoalmente na imediações da entidade parabenizando Oberdan Lopes pela suposta vitória na disputa. 

Dizem que Flávio Furtado empenhou esforço pessoal em favor da chapa de Oberdan em Duque Bacelar.

Vale ressaltar que Oberdan é da mesma agremiação política de Cláudio Furtado, o G20.

Diante desses fatos os Silva estariam desconfiados de que Oberdan, em algum momento, passe a usar o sindicato para pressionar e desgastar o governo, sob orientação dos Furtado.

Faz sentido? Só o tempo dirá.

Mas uma coisa é certa. Os Furtado são políticos habilidosos. Disso ninguém duvide.













domingo, 27 de dezembro de 2020

Rafael Cruz Presidente da Câmara e Cará Líder do Governo.

Segundo fontes do blog, Bruno Silva já teria batido o martelo e orientado sua base de sustentação no Parlamento Municipal a eleger Rafael Cruz para presidir aquela casa legislativa.

O vereador Cará deve ser confirmado como Líder do Governo, papel que já desempenhou durante um período no governo de Américo.

Não se sabe se Bruno Silva já "fumou" o "cachimbo da paz" com Soliney, visto que dias atrás o ex-prefeito postou um texto em suas redes sociais demonstrando bastante descontentamento por um suposto isolamento político na tomada de decisões, no que diz respeito à formação do governo do filho. (Veja aqui )

O certo é que a escolha de Rafael Cruz para presidir a Câmara de vereadores deve agradar  a Soliney, uma vez que o vereador em questão permaneceu fiel na oposição durante toda a gestão de Américo, demonstrando fidelidade ao grupo político do ex-mandatário. 

Agora se Rafael Cruz será uma boa aposta para Bruno Silva só o tempo dirá e isso vai depender de como será a relação do novo prefeito com o próprio pai durante sua gestão que se inicia a partir de 1º de janeiro do ano que vem.

Sabemos que Rafael e seu pai, Antônio Cruz, são aliados de longas datas de Soliney e que "Ligeirinho" sonha com voos mais altos para o filho. 

Se a situação entre Bruno e Soliney não foi resolvida e, na pior das hipóteses, vier a se agravar, Rafael poderá ter nas mãos a oportunidade de ir mais longe em sua carreira política. Fidelidade a Soliney ele já demonstrou. 

Vamos aguardar o desenrolar dessa história.

  

quarta-feira, 23 de dezembro de 2020

Rosário Leal volta a Coelho Neto querendo amordaçar a imprensa?

Isso é que eu chamo de colocar lenha na fogueira. Pelo menos é o que se pode dizer da ação judicial movida por Rosário Leal contra os blogueiros Milton Vieira e Homero Lima, por conta de matérias envolvendo fatos relacionados a ela durante a gestão de Soliney Silva.

Ao invés de sair do foco das discussões, a atitude de Rosário de ingressar com essa ação só a colocou novamente no centro das discussões, dando eco a elas.

O curioso foi observar que Rosário quer proibir os nobres colegas blogueiros de citar o nome ou usar imagens dela em matérias futuras. Aí lascou. Será que ela pensa que em pleno século 21, tempo em que as redes sociais estão a todo vapor, uma pessoa pública, ocupando cargo público consegue exercer suas funções sem receber críticas?

Não custa lembrar que parte das afirmações contidas nas matérias em questão foram feitas por Soliney, seu ex-chefe. E até onde se sabe, ela não tomou a mesma medida contra ele.

Ao que parece Márcia Bacelar está sendo mais esperta, visto que não deu repercussão a matérias com críticas a sua indicação para a Saúde do município. Já Rosário Leal resolveu fazer o contrário, espalhar brasas. Bem típico dela.

Tudo o que Bruno Silva não quer é que seja iniciado um processo de desgaste de seu governo antes mesmo de o mesmo começar. Mas é o que está acontecendo. Coisa que poderia ter sido evitada se tivesse escolhido melhor, até aqui, alguns de seus futuros secretários de governo. 

Vai se desgastar com Márcia Bacelar, que dificilmente conseguirá assumir a indicação e se assumir poderá ser questionada por via judicial e está se desgastando com Rosário Leal, que parece ser bem "esquentadinha" e incapaz de administrar críticas.

E os nomes que podem canalizar desgastes a Bruno Silva não param por aí.

Ele ganhou a eleição com mérito e tendo em seu palanque um grupo político grande. Sem falar na maior votação já dada a um candidato a prefeito no município, mas tudo isso, ou pelos menos parte disso, pode se constituir em problemas. Principalmente  na hora de montar o governo.

Imagina qual será a reação de quem, subiu morro e desceu morro pedindo votos, arrumando inimizades nas redes sociais e na hora da partia do bolo não for lembrado...

Sem falar que algumas figuras parecem achar que terão as mesmas "facilidades" dos tempos de Soliney. Começo a pensar que não.

Mas vamos aguardar, ainda é cedo para afirmar qualquer coisa nesse sentido.

Quanto a Rosário Leal, se de fato vier a assumir o cargo de Secretária de Educação e continuar gerando desgastes  desnecessários para o governo, nem irá esquentar a cadeira.

Vale ressaltar que a Educação na gestão do prefeito Américo conseguiu o maior IDEB da história sendo gerida por profissionais do município.

E convenhamos, Bruno Silva bem que poderia ter seguido o exemplo, buscando no quadro de professores um nome para o cargo de Secretário de Educação, né?! Essas fagulhas advindas de Rosário Leal, que podem culminar num incêndio em seu governo, teriam sido evitadas.


Ainda dar tempo, prefeito!  

sexta-feira, 18 de dezembro de 2020

Deixa o povo de Coelho Neto comer carne, Seu Bacelar!


Ninguém aguenta mais tantos aumentos no preço da carne em Coelho Neto. Desde que o esposo da ex-prefeita Márcia Bacelar, o ex-deputado estadual Antônio Bacelar, assumiu o fornecimento da carne bovina no município o preço desse alimento não para de subir.

Matéria do Blog do jornalista Milton Vieira, dessa semana, afirma que esses aumentos são abusivos e não se justificam.(Leia aqui

O problema maior é que ao aumentar a carne bovina o preço do frango e da carne de porco está aumentando também. Nessa ciranda inflacionária a população se torna a grande prejudicada.

Apenas observando os fatos.



Até o presente momento este blog tem se reservado a tão somente observar os fatos a respeito das escolhas do prefeito eleito, Bruno Silva. Críticas ou elogios vão depender do próprio prefeito, que irá assumir a gestão do município a partir de 1º de janeiro de 2021.

No entanto, parece que já tem gente incomodada com a posição deste humilde meio de comunicação, que diga-se de passagem, não tem pretensão de competir, nem ser melhor que ninguém.

Continuaremos, portanto, observando e analisando os fatos.

A respeito da escolha de Bruno Silva para a Cultura, que terá Kinha Santos como chefe da pasta, não foi uma escolha ruim, embora a meu ver, Geraldinho teria sido melhor. Todavia, a escolhida também tem história na cultura local. 

Mas pelo visto algumas pessoas esperavam que o nome indicado fosse outro e já o davam como certo.

Acontece que segundo fontes que não iremos revelar, o prefeito Bruno Silva anda desconfiado das reais intenções de um certo grupinho acolá, pois teve gente que andou antecipando o pulo do gato e mostrando as unhas antes da hora. Com isso, acabou revelando mais do que pretendia. E dizem que o fato não passou despercebido do novo prefeito.

Abra o olho, Bruno Silva! Cuidado com o "Cavalo de Troia" Não dê asas a cobras.

O golpe está aí, o senhor cai se quiser.

 

sexta-feira, 11 de dezembro de 2020

Rapidinha da noite.

Rapaz, uma figurinha acolá que até semana passada vivia querendo fazer festas, reclamando dia e noite que os donos de bandas precisavam fazer seus eventos para poder se manter, lhe deram uma vaguinha de coadjuvante ali e o homem já mudou o discurso. Agora o rapaz só quer festa depois da pandemia.

MUDOU OU NÃO MUDOU? há há há.




quinta-feira, 10 de dezembro de 2020

Soliney dá ultimato a Bruno Silva e ameaça fazer oposição.

Conforme adiantou este blog, em matéria recente, a oposição a Bruno Silva poderá vir do próprio pai, o ex-prefeito Soliney, que não anda nada satisfeito com as movimentações  e indicações políticas do filho, que o tem deixado de fora de qualquer discussão acerca da formação do governo.

Em mensagem postada em suas redes sociais, o ex-prefeito diz, entre outras coisas, que desde a reunião que houve na casa do pai do vereador Rafael Cruz não teve mais contato com Bruno. E vai além, Soliney afirma com todas as letras que Bruno Silva só foi eleito prefeito porque é seu filho.

Quem conhece Soliney sabe do que ele é capaz quando tem suas vontades contrariadas. 

Na mensagem, Soliney dá um ultimato a Bruno Silva: Irá aguardar até 10 de janeiro, caso até lá o rapaz não dê sinais de que irá cumprir com os compromissos assumidos que era de "governar com meus amigos e amigas e dar 3 mil empregos pros mais necessitados,"  o cancão vai piá e o pau vai cair a "foia".

Confira a seguir a íntegra da mensagem com os reclames de Soliney. 




terça-feira, 8 de dezembro de 2020

A dupla Interpretação da indicação de Márcia Bacelar para a Saúde de Coelho Neto.



A terceira indicação do prefeito eleito de Coelho Neto é a ex-prefeita Márcia Bacelar para gerir, a partir de 1º de janeiro de 2021, a Secretaria Municipal de Saúde do município.

A indicação pode ser interpretada de duas formas: Uma, Bruno Silva quer realmente demonstrar apreço pela aliada que o ajudou a chegar ao poder, dando-lhe um lugar de destaque em sua administração. A outra interpretação é que colocá-la na Saúde seria uma forma de "queimar o filme" da ex-mandatária, visto que a pasta é considerada o calcanhar de Aquiles de qualquer governo. 

A análise se faz pertinente porque não é segredo para ninguém que a "Mainha" sonha em voltar a ser prefeita de Coelho Neto e dificilmente terá paciência de aguardar mais que quatro anos para isso. Afinal, já esperou tanto tempo, né?

Assim sendo, a aliada de agora pode não demorar muito para se tornar adversária.

Seja qual for a intenção de Bruno Silva, Marcia Bacelar vai receber a casa arrumada. Hospital Municipal reconstruído, postos de saúde reformados e salários em dia. Desse modo, ela tem tudo para fazer uma boa gestão da pasta. Se vai ter sucesso ou fracasso, só o tempo irá mostrar. 

sábado, 5 de dezembro de 2020

Quem irá comandar a Cultura em Coelho Neto?

Passada a eleição chegou a hora do novo prefeito escolher seu time de secretários e assessores e o sucesso ou fracasso de sua administração vai depender da escolha que fará.

Para comandar a Cultura no município pelo menos três nomes são cotados: Geraldinho, Kinha e Ronan.

O que pesa contra e a favor dos três nesse processo de indicação?

Geraldinho:
Uma pessoa culta, de discurso moderado, com boa interlocução no trato com gente, estudioso da música, área que conhece como poucos no município, viajado, sempre indo em busca de aprimorar seus conhecimentos, um amante das manifestações culturais. Sempre se manifestando a favor da valorização da cultura em Coelho Neto.

Kinha Santos:
Sua ligação com as manifestações culturais vem de longas datas, a música e o boi-bumbá fazem parte de sua trajetória.

Ronan:
Este está mais ligado à música, amante das rodas de pagode. Infelizmente seu perfil agressivo nas redes sociais pensa contra si neste momento.

Bruno Silva sabe que a imagem de seu governo depende muito das pessoas que vai indicar para os cargos de chefia, serão elas que estarão na ponta, numa relação direta com a população, daí a necessidade de escolher gente de perfil moderado e com boa capacidade de comunicação. Afinal, a campanha eleitoral já passou e polêmicas geradas pelos seus comandados irão respingar em si.

Dos três, acredito que Geraldinho esteja um passo adiante dos demais e Ronan figure como última opção para o cargo, mas isso quem vai decidir é o prefeito eleito.

Vamos aguardar para ver quem dos três Bruno Silva irá escolher.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

Caso Sintasp: Justiça anula Assembleia geral do dia 23 e Chapa 2 cai.



Eis aqui mais um capítulo da disputa pelo comando do Sindicato dos Servidores Municipais de Coelho Neto - Sintasp.

Saiu no dia de hoje (4), decisão judicial, em caráter liminar, que joga por terra o desejo de alguns associados, ligados ao prefeito eleito, "tomarem" o Sintasp.


Na decisão, a justiça anulou a Assembleia Geral realizada no dia 23/11/2020 e os efeitos dela decorrentes. Com isso, ficou valendo a Assembleia anterior onde foram definidos os critérios para a eleição da nova Diretoria e do Conselho Fiscal da entidade.

E como já é sabido, apenas a Chapa 1 foi registrada com base nesses critérios.

A decisão da justiça derrubou, por tabela, a Chapa 2, visto que a mesma foi registrada com base nos critérios definidos em Assembleia totalmente irregular.

Com tantos doutores prestando assessoria e um presidente interino "debaixo do braço" ainda conseguiram a proeza de se anularem no processo eleitoral do sindicato que pretendiam tomar.

Eita, lasqueira!


terça-feira, 1 de dezembro de 2020

O novo prefeito de Coelho Neto e o desafio de construir um grupo político que possa chamar de seu.

O processo eleitoral em Coelho Neto sagrou Bruno Silva como prefeito eleito, com a maior votação da história, diga-se de passagem.

O novo gestor municipal irá receber a casa arrumada, com processo de transição e salários em dia, situação bem diferente da que Américo recebeu o município.

Mas receber a casa arrumada, com transição, folha de pessoal em dia e a grande votação recebida nas urnas por si só não garantem que Bruno Silva fará uma boa gestão. Nem que terá vida longa na política.

Uma boa gestão da parte de Bruno Silva vai depender e muito sua capacidade de dizer não para certos "vícios administrativos" observados na gestão de seu pai, o ex-prefeito Soliney Silva, da eficiência de seus secretários de governo e da construção de um grupo político que possa chamar de seu.

Todo mundo há de convir que boa parte do grupo que deu sustentação à campanha vitoriosa de Bruno Silva "pertence" a Soliney ou seja, o ex-prefeito teve sim, sua parcela de contribuição na vitória de Bruno.

A outra parte desse grupo se deu por uma articulação específica para a eleição de 2020. Entra aqui Márcia Bacelar e seu esposo, o ex-deputado Antônio Bacelar.

Onde é que eu quero chegar? 

É simples. Márcia Bacelar certamente tem seus projetos políticos pessoais e não há garantia de que o prefeito eleito estará de acordo com eles, logo essa aliança não persistirá por muito tempo.

O próprio ex-prefeito Soliney já avisou que poderá fazer oposição ao governo do próprio filho, se esse vier a maltratar o "seu povo". Entende-se aqui que caso não lhe seja dado o devido espaço na nova gestão e consideradas certas vontades dele essa oposição será feita. E quem irá lhe acompanhar nessa oposição ao governo do filho vai depender de quem Bruno Silva deixará de fora de sua gestão ou insatisfeito por não ter o que imagina que terá.

Não custa lembrar que Soliney tem aliados históricos na política local, pessoas que o acompanham desde seus mandatos de deputados. E aqui não vamos entrar no mérito de que ele possa ou não ser candidato futuramente. Essa é uma outra discussão.

Dai a necessidade que Bruno Silva tem de construir seu próprio grupo político, porque os "amigos do poder" se vão com o fim do mandato ou quando sentem que as coisas não vão muito bem.

A grande votação que Bruno Silva teve e o tamanho do grupo político que o levou a ganhar a prefeitura passará a se constituir em dificuldades a serem administradas a partir de  agora e mais ainda de 1º de janeiro em diante, visto que muitos esperam um lugarzinho ao sol e todos sabemos que a prefeitura não possui estrutura financeira para tanto. Sem falar que "errar a mão" nos meses iniciais de governo poderá comprometer toda sua gestão.

Assim, quem hoje é aliado poderá se transformar em adversário e engrossar as fileiras da oposição.

E o tamanho da oposição e a força que esta terá nos próximos quatro anos vai depender do prefeito eleito.